Resenha: Um Dono para Buscapé, de Giselda Laporta Nicolelis

É na infância que aprendemos lições valiosas de amor ao próximo e aos animais. É na infância também que lemos alguns dos livros que mais marcam nossas vidas. Quando eu tinha nove anos, li “Um Dono para Buscapé”, e nunca mais me esqueci do livro (talvez porque ele era um dos mais grossos que eu já tinha lido: 62 páginas!). E com ele aprendi coisas muito importantes.
Marcelo, um garoto de doze anos, vai mudar de sua confortável e espaçosa casa para um apartamento. O problema? Seu cachorro Buscapé não pode ir junto. E olhe que o vira-lata malhado é realmente o melhor amigo do menino, inclusive seguindo o dono até a escola todos os dias. Marcelo precisa correr contra o tempo para encontrar um novo dono para seu animal de estimação, ou Buscapé será sacrificado.
Crédito das ilustrações: Moacir Rodrigues Soares
Será difícil encontrar um livro mais politicamente correto que este. Talvez o termo “politicamente correto” não seja o melhor para descrevê-lo, mas sem dúvida é um livro que ensina lições valiosas para as crianças que o lêem. Os pequenos aprendem sobre a importância de adotar um animal (ao invés de comprar) e também ficam mais bem informados sobre a cegueira, porque um menino cego quer muito adotar Buscapé, e o cachorro sapeca passa por um treinamento para aprender a ser cão-guia.
Há momentos em que a narrativa se torna muito mais que uma história infantil. São algumas nuances que só percebemos com a idade, por exemplo: Marcelo não tem apoio nenhum da família para tentar encontrar um novo dono para seu cachorro. O pai dele, Luís, inclusive fica muito bravo quando o menino coloca um anúncio no jornal contando a história de Buscapé. E quem levou Marcelo até a sede do jornal foi a professora de português, Fátima, a quem o menino se refere em um momento como “minha melhor amiga”. Marcelo se mostra sempre independente e recebe pouca atenção e incentivo dos pais.
Buscapé, Marcelo e dona Fátima (crédito: Moacir Rodrigues Soares)
A escritora Giselda Laporta Nicolelis publicou mais de 100 livros, e com certeza fez parte das primeiras leituras de milhões de brasileirinhos. Valeu pelos ensinamentos, Giselda! ; )
Frase favorita (e bem filosófica):
“Quando é que todos vão poder ser felizes ao mesmo tempo?” (pg 37)
O veredicto: 4 MINIONS!

ÓTIMO

P.S.: Sabe por quê eu fiz a resenha de um livro infantil? Porque ele trata de um tema fundamental: o amor pelos animais. Neste mês de outubro, os blogueiros do grupo Rotaroots participam da blogagem coletiva Abraçando Patinhas para a doação de ração para cãezinhos e gatinhos sem dono! Para saber mais sobre a campanha, clique na imagem: 
CLIQUE AQUI

Comentários

  1. Não conhecia o livro, mas lendo sua resenha vejo como ele é importante para a formação da personalidade e do caráter das crianças. Nossa literatura precisa de mais livros como esse.
    Ótima resenha. Beijos

    bibliotecacolorida.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Nós do Biblioteca Colorida te indicamos para responder uma tag, confere lá:
    http://bibliotecacolorida.blogspot.com.br/2014/10/tag-1-liebster-award.html
    Obrigada :D

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Blogagem coletiva: 5 coisas que eu quis ser

Resenha: Morada das Lembranças, de Daniella Bauer

Quiz: qual personagem você é?