Projeto BLC: Em um livro qualquer...

Este post contém pequenos spoilers do livro “A Droga da Obediência”, de Pedro Bandeira

O projeto BLC – Blogagem Literária Coletiva, organizado pelos blogs Monykisses e Diário de uma Livromaníaca, começou 2015 com um tema muito criativo – e difícil. Saca só:

Um belo dia você acorda e percebe que está “dentro” de um livro. Mas não um livro qualquer, um de seus livros preferidos e mais, você é um dos personagens! E agora? O que fazer? Gritar? Chorar? Se desesperar? Nada disso! Afinal de contas você sabe como termina essa história.
Então você corre para procurar a saída e descobre que só poderá voltar para o mundo real quando reescrever um trecho da história, pelo seu ponto de vista. Ou seja, agora você é um dos personagens, o que você faria em determinada situação?
Escolha aquele trecho que te incomodou, que te deu vontade de fazer diferente. Escolhido? Ok, agora é só contar em detalhes, como você agiria, qual seria sua reação, o que você faria caso estivesse vivenciando aquela situação.”

Como toda boa super-leitora, acho difícil escolher apenas um livro favorito. Mas se você me perguntar quais livros jamais esquecerei, esteja certo de que “A Droga da Obediência”, de Pedro Bandeira, fará parte desta lista. Nunca li um livro tão rápido. Apenas no primeiro dia de leitura (e olhe que eu era uma criança de 10 anos) devorei quase cem páginas. Porque é impossível não se deixar levar pelo carisma e espírito aventureiro dos Karas, um quinteto adolescente pra lá de corajoso.
Minha personagem favorita era a única garota da turma, Magrí. Entretanto, ela é completamente diferente de mim, porque adora todas as modalidades de esporte. E esta não é a única coisa que me incomoda: gostaria que Magrí tivesse mais protagonismo dentro da história. Sim, sei como é importante que Chumbinho, o pequeno e enxerido novo membro dos Karas, salve o dia ao final, mas gostaria de ver mais ação (e romance!) da parte de Magrí. Então me atrevo a escrever um adendo, um capítulo extra, a essa obra. Ele ficaria entre o capítulo 27 – De preferência, mortos! e o 28 – A capacidade de desobedecer. Vamos lá?

Capítulo 27 ½ – Pânico no ginásio

Qualquer um ficaria desorientado no ginásio, mesmo que não estivesse sob efeito da droga. A fumaça tornava impossível ver qualquer coisa mais distante que um palmo de seus olhos, e o barulho do alarme de incêndio era ensurdecedor. Mesmo assim, todos se movimentavam freneticamente após ouvir o estampido de um tiro, vindo não se sabia de onde. Os jovens tropeçavam uns nos outros, se chocavam contra as paredes, caíam e se levantavam rapidamente. O medo de ser atingido por uma bala ou ser engolfado pela fumaça era maior que o medo de ser pisoteado.

Foi no meio da confusão que Crânio soltou a mão de Magrí. Não se sabe quem tropeçou primeiro, e de fato agora isso não mais importava. O fato era que cada um era arrastado para um lado pela multidão. Juntando todas as suas forças, Magrí lutou contra a corrente, mas era tarde: havia perdido Crânio de vista. Era muita tristeza para um só dia: primeiro era Miguel que sumira, depois Chumbinho levou um tiro, agora ela não conseguia mais encontrar Crânio. Os três eram os garotos mais importantes do mundo para ela, era isso de que ela acabava de se dar conta.

Uma mão agarrou seu ombro. Se ao primeiro toque ela tinha esperança que fosse Crânio, ao sentir a pressão Magrí se desesperou. Soube que estava nas mãos do vilão. Márius Caspérides esperava que a menina magra e indefesa não oferecesse nenhuma resistência e se tornasse sua refém, mas não foi isso que aconteceu. A ira subiu à cabeça de Magrí, uma força sobre-humana tomou conta de seus músculos e, com lágrimas escorrendo pelo rosto (o que muito a surpreendeu), Magrí arrancou a mão do agressor de seu ombro e, virando-se rapidamente, deu-lhe um soco forte no estômago.

Saiu correndo muito rápido, mal sentia os pés tocarem no chão. Parou de súbito, ao ver um brilho diferente vindo de um canto do ginásio. Com a respiração ofegante, foi até lá e sua previsão se concretizou: o brilho vinha realmente da luz refletida pela gaita de Crânio, caída ali no chão e bastante amassada. A três ou quatro passos estava caído o dono da gaita.

Crânio tinha um feio machucado, bem, no crânio. Um fiozinho de sangue escorria por sua bochecha. Com a multidão dissipada e o canto do ginásio praticamente vazio, Magrí se ajoelhou ao lado do garoto de quem gostava mais do que como amigo. Apanhou a gaita, apertou-a contra o peito, tirou um lenço do bolso, limpou o sangue do rosto de crânio e sussurrou, sem saber se queria ou não ser ouvida por ele: “Agora é minha vez de cuidar de você”.

Comentários

  1. Legal esse projeto... preciso participar de literarios!

    Um abraço, Mundo da Fani
    <3

    ResponderExcluir
  2. Olha que interessante!
    Sempre ouvi falar deste livro, mas não sabia que era literatura juvenil, que vergonha. Preciso prestigiar mais autores nacionais, vai para minha meta de leitura dos nacionais.
    Amiga sua escrita é muito boa, adorei o trecho que você reescreveu. Muito bom mesmo, e olhe que nem li o livro.
    Um beijo!
    Blog Monykisses

    ResponderExcluir
  3. Oie Lê,
    Sou mega fã dos Karas desde a minha quinta série, lembro que fiz minha mãe comprar todos os livros de uma vez e li todos em duas semana kkkkkkkkkkk
    Meus personagens favorito eram o Calu e o Miguel, eu adorava a Magrí mas xipava ela com o Calu <3 kkkkkkkk
    Confesso que também senti falta de mais romance nesse livro, mas o bom é que o Pedro Bandeira compensou em outros da série!! Estou louca para ler A Droga da Amizade!
    Amei sua escolha e modificação.
    Beijos
    http://diariodeumalivromaniaca.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Eu não li tudo, admito. Medo de pegar esses pequenos spoilers, mas pelo que você falou você moldou a história pra melhor. Eu gosto de romances nas histórias também, então acho que acrescentaria mais isso em uns livrinhos por aí. XD
    Sou louca pra ler os livros do Pedro Bandeira!
    Beijos
    Lendo & Apreciando

    ResponderExcluir
  5. OI Oi!
    Que legal essa blogagem coletiva, fiquei aqui de boca aberta com a idéia e adorei o que você escreveu!
    Eu mudaria tantos livros que teria uma blogagem dessa toda semana no meu blog! Adorei a ideia e como você desenvolveu o seu adendo <3
    Beijos

    LuMartinho

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Blogagem coletiva: 5 coisas que eu quis ser

Resenha: Morada das Lembranças, de Daniella Bauer

Quiz: qual personagem você é?