Manifesto contra o Ano-Novo

Eu sou o Grinch do Ano Novo. Não gosto de vestir de branco, fazer resoluções, fazer contagem regressiva, ver fogos de artifício. Acho tudo isso uma bobagem. Poderia argumentar contra o Ano Novo de várias maneiras: dizendo que o calendário gregoriano é uma convenção que adotamos para contar o tempo,  e que muitas culturas não comemoram a chegada do novo ano dia primeiro de janeiro; apelando para a compaixão dos amantes de animais, que ficam comovidos com o stress causado nos bichinhos pelo barulho de fogos de artifício; mas prefiro destruir o ano novo criticando quem não faz dele algo novo: nós mesmos.
Eu sinto que o ano de 2014 para mim ainda não está acabando: está, no máximo, pela metade. Porque eu tive um péssimo começo de ano, e 2014 só foi ficar novo mesmo entre julho e agosto. Agora, com as coisas finalmente nos eixos, parece que me recuso a virar a folha do calendário.
Não há um banho de poderes mágicos sobre a terra quando o relógio bate meia-noite. Pode haver esperanças renovadas e mais disposição, mas será que isso vale só para um dia do ano, ou para cada recomeço? Será que é válido receber um novo ano de braços abertos, para em dezembro xingá-lo e dizer “ainda bem que acabou?”. Muitas tristezas que acontecem durante o ano não dependem de nós, mas manter-se bem-humorado e com vontade de melhorar sempre (e não apenas no dia 31 de dezembro) é algo que todos podem fazer todo dia.
Não adianta pular sete ondinhas, se entupir de sementes de romã, chupar uvas em tempo recorde ou correr ao redor da casa com uma mala vazia: nenhuma simpatia vai adiantar se você não mudar nada entre 31 de dezembro e 1° de janeiro. Já disse nosso poeta maior Carlos Drummond de Andrade, em sua“Receita de Ano Novo”, que “é dentro de você que o Ano Novo cochila e espera desde sempre”.

Então eu faço uma proposta: não vamos renovar as esperanças apenas na meia-noite de primeiro de janeiro. Vamos renovar as esperanças todas as meias-noites, esperando que o dia seguinte seja melhor que o anterior, e fazer por onde. Nada de transformar em trending topic a frase “Página 1 de 365” se não estivermos dispostos a escrever este ano de um jeito completamente diferente. Cada novo dia, cada nova página, é uma nova oportunidade. Não deixe seu livro de 2015 ser sem-graça e esquecível. Só depende de você ser o autor de sua própria vida e fazer de cada ano um clássico ou um best-seller.

Comentários

  1. Eu adoro Ano Novo. Acho que o ser humano sempre precisa de novos começos, ciclos de passagem. Mas compreendo seu pensamento! É como você falou, temos de encontrar motivos para amar nosso ano é no dia-a-dia, e não somente no comecinho dele. Também não gosto de quem fica xingando o ano ou mês, afinal, boa parte do que acontece é por causa das próprias pessoas.

    Que essa esperança do Ano Novo dure todo dia. Que possamos fazer cada dia valer a pena com o nosso melhor!

    Beijos para você e um 2015 de dias felizes e de esperança diária!

    ResponderExcluir
  2. Oi Lê!
    Que texto Legal! Concordo quando você diz que o calendário é só uma convenção e também acho que o ano novo e as mudanças habitam dentro de você, mas confesso que gosto muito mais de Ano Novo do que de Natal! hahahaha
    O problema é que as pessoas esquecem as promessas e a esperança de dias melhores logo no começo do ano e voltam a ser o que foram no ano passado! :(

    Espero que 2015 seja repleto de muitas alegrias e realizações!
    Feliz 2015!

    ResponderExcluir
  3. Lê, você é absurdamente original! Sabe, eu te admiro muito por isso, até parece meu pai com esse papo de ano novo. Todas as pessoas gostam do Ano Novo, e realmente acreditam que uma virada de ano vai resolver seus problemas, e aí vem aquela listinha básica das metas. Eu concordo com você em muitos pontos, mas confesso que me rendo. Ah, eu adorei o título da postagem, pessoas que usam a palavra manifesto, ao meu ver, são tão intelectuais. Lê, eu te desejo dias felizes, boas leituras, e uma overdose de cultura. Beijão!
    http://respiralivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Lê!
    Fiquei sem palavras aqui.
    Foi uma ótima reflexão e eu adoro esse trechinho do Drummond.

    Acho que a Hemilly disse tudo no comentário acima.
    Te desejo muitas conquistas.

    Beijo
    ​​​​​​​LiteraMúsicas​ | Fanpage
    >>​​​Já viu a ​​Maratona #SemPararDeLer? Você monta sua própria meta de leitura e ainda concorre a prêmios!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Blogagem coletiva: 5 coisas que eu quis ser

Resenha: Morada das Lembranças, de Daniella Bauer

Quiz: qual personagem você é?