DPL: Cecília Meireles contemporânea

A missão expert da segunda parte do desafio literário exige um bocado de pesquisa e imaginação: descrever como Cecília Meireles seria, agiria e viveria no século XXI (ela nasceu em 1901 e faleceu em 1964). Como ela pensaria e o que faria se pudesse vislumbrar nosso mundo moderno e dar sua opinião? Que trabalhos ela teria escrito em 2014? O que faria de diferente?
Como nossa nova Cecília se comunicaria? Através de blogs, um site pessoal, uma página no Facebook? Estaria sempre na televisão? Atrairia filas intermináveis de fãs nas feiras literárias e bienais? Teria fãs de todas as idades ou seria mais popular com alguns nichos (mulheres, adolescentes, hipsters)?
De algum modo, sinto que a Cecília Meireles moderna seria parecida... comigo. A infância solitária cheia de livros e objetos a serem descobertos e observados, a publicação do primeiro livro aos 18, a realidade de jovem aluna inteligente, a escolha de trabalhar com educação (embora hoje eu siga por outro caminho), a colaboração com veículos literários... Mas não tenho a pretensão (e talvez nem a sensibilidade) de ser Cecília Meireles...
Sem dúvida a poesia moderna receberia de braços abertos nossa Cecília Meireles do século XXI. Seus versos musicais e bem variados na métrica e no esquema de rimas seriam bem-vindos (prova é que quase todas as crianças lêem poemas de Cecília na escola). Ela também faria sucesso com seus escritos introspectivos, porque os leitores mais sensíveis percebem a necessidade de um pouco de solidão e introspecção neste mundo moderno e tão caótico.
"...Liberdade, essa palavra
que o sonho humano alimenta
que não há ninguém que explique
e ninguém que não entenda..."

(Romanceiro da Inconfidência)
Repare nestes versos: eles parecem moderníssimos! Sim, poderiam ter sido usados, lembrados, declamados durante a resistência contra a ditadura, as Diretas Já, o impeachment de Collor e, inclusive, durante as manifestações de junho de 2013. Se ela teria participado de alguma forma dessas manifestações se fosse mais nova, isso já é um mistério.
Cecília foi a criadora da primeira biblioteca infantil do Brasil, e hoje certamente estaria envolvida em algum projeto para levar cultura e leitura às crianças de todas as classes sociais.
Temos a impressão que seu tom feminino influenciou, de uma forma ou de outra, todas as escritoras brasileiras que vieram depois dela. Poderia ter sido amiga ou correspondente de Clarice Lispector (e talvez conseguisse tornar mais fácil a leitura do estilo “fluxo de consciência” de Clarice). As escritoras de livros infantis beberam da fonte de Clarice: Lygia Bojunga, Ana Maria Machado, Lygia Fagundes Telles (que não escreve para crianças, mas aborda alguns temas comuns à Cecília, como a morte)... Mesmo sendo difícil pensar nisso, há um pouco de Cecília em Martha Medeiros, em Ana Cristina César, em Thalita Rebouças, em Bruna Vieira, em Paula Pimenta... e em mim. Porque todas nós dependemos da pioneira que nos abriu o caminho e mostrou que, mesmo se desdobrando em atividades para sobrevivência, é possível – e é vital – fazer arte no Brasil. Tanto é que, em sua última entrevista, Cecília declarou:
Você sabe que eu tenho muito medo da literatura que é só literatura e que não tenta comunicar?”

Comentários

  1. Olá Lê, não conhecia esse blog, já sigo você lá no critica retro e passei pra conhecer esse também, obrigada pelo comentário no blog. bjuxxx

    www.casacherry.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi Lê!
    Cecília foi incrível não?
    E acho que você completou perfeitamente essa parte do desafio :)

    Beijos
    ​​​​​LiteraMúsicas

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Blogagem coletiva: 5 coisas que eu quis ser

Resenha: Morada das Lembranças, de Daniella Bauer

Culturação: Cupido Literário