DPL: Resenha: Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carroll

Está muito na moda ler distopias. Distopia é o oposto da utopia, ou seja, algo muito longe de uma realidade perfeita. Nas distopias, é comum encontrar governos totalitários, guerras iminentes e uma realidade “distorcida”. É o mundo de cabeça para baixo. Se você pensa que distopia é um conceito novo, está muito enganado. Décadas antes de Suzanne Collins, e companhia, já havia grandes distopias no mundo literário, como “1984”, de George Orwell, “Admirável Mundo Novo”, de Aldous Huxley, “O Processo”, de Franz Kafka e “Alice no País das Maravilhas”, de Lewis Carroll.

Você já deve conhecer algumas das passagens de Alice, provavelmente devido a uma das várias adaptações da história para o cinema. A questão é que não importa a ordem das aventuras de Alice, e nem se elas aconteceram todas no mesmo dia ou em dias separados. O que importa é que um dia a menina Alice seguiu um coelho branco que estava atrasado e encontrou um mundo onde lebres tomam chá com chapeleiros e rainhas do baralho mandam cortar a cabeça de seus súditos.
Tem governo totalitário? Taí nossa Rainha de Copas! Ela manda seus jardineiros pintarem as rosas, joga críquete com tacos de flamingos vivos, manda e desmanda no marido e, claro, tem como bordão “cortem-lhe a cabeça!”.

Criaturinhas estranhas não são regra para as distopias, mas são bem-vindas (considero Star Wars uma distopia, e lá está o bom e peludo Chewbacca). Bem, Alice encontra muitas criaturas bizarras: o gato de Cheshire, com um sorriso perturbador, a Lebre Maluca e o Chapeleiro Louco, uma lagarta ligeiramente drogada e os estranhos irmãos Tweedledee e Tweedledum (que na verdade estão na continuação do País das Maravilhas, “Através do Espelho”, mas mesmo assim aparecem no filme da Disney).

E no meio de tudo isso está nossa heroína Alice, a personagem com a qual devemos nos identificar. Ela é a pessoa normal tentando encontrar algum sentido naquele mundo estranho. Mais do que isso, ela precisa se ver livre do “sistema”: você preferia que Alice voltasse para casa ou que ficasse para sempre no País das Maravilhas?
Mas há muito mais entre o céu e a terra do País das Maravilhas do que suspeita nossa vã filosofia. Ao contrário de muitos autores atuais, que simplesmente doa total vazão à criatividade em suas distopias, Lewis Carroll encheu as passagens de significados. Simplesmente ler o livro é uma coisa. Ler uma edição cheia de notas de rodapé é outra coisa: uma descoberta fascinante a cada página e um entendimento mais profundo da obra, do autor e de suas inspirações. Muito do que foi escrito são “piadas internas” feitas especialmente para a amiga e primeira ouvinte da história, Alice Liddell.
Lewis Carroll era também um professor de matemática e entusiasta da lógica, e recheou sua obra de pequenos truques. Como homem de seu tempo, Carroll parodia poemas que estavam na moda na Inglaterra do século XIX, e faz referências a outras obras literários que os leitores daquela época e lugar conheciam bem. Por isso uma edição comentada (como a que abre o post) é imprescindível.

Sabe o que faz toda a diferença também? As ilustrações originais de John Tenniel. Como um livro “para crianças” que também pode ser muito apreciado por adultos, é natural que encontremos ilustrações. Mas não são imagens quaisquer: em preto e branco, com traços finos, imaginativos e cheios de detalhes. Sem dúvida o trabalho de Tenniel influenciou todas as futuras adaptações da história de Alice para os cinemas.
Alice no País das Maravilhas” não deve ser lido apenas uma vez. Na primeira leitura você entende o cerne da história e conhece as principais personagens, caso não as conhecesse antes. E, a cada releitura, você descobre uma novidade que brinca com seus neurônios, que te deixa mais culto e que torna a obra cada vez mais interessante – e mais doida.
O veredicto: 5 minions!


EXCELENTE!

Comentários

  1. Já li o livro e não era edição comentada. Eu já gostei muito, não sendo, portanto acho que ia gostar mais. Não tinha parado para pensar nesse ponto de sociedade totalitária e achei interessante. Percebi mais a questão do jogo adulto x criança, em que ela (criança) se vê em um mundo (adulto) que tenta compreender, e que ora a atrai, ora a repulsa. Também não acho ela normal, percebo é meio "doidinha" e sincera como toda criança. haha Tinha até escrito sobre isso no meu blog. Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Agora fiquei curiosa para ler essa edição comentada! Muito bom seu texto Lê <3

    Beijos, Pri
    VINTAGEPRI | Facebook | Bloglovin | Pinterest

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Blogagem coletiva: 5 coisas que eu quis ser

Resenha: Morada das Lembranças, de Daniella Bauer

Culturação: Cupido Literário