Resenha: Doze anos de escravidão, de Solomon Northup

Até a entrega do Oscar de 2014, eu nunca tinha ouvido falar em Solomon Northup. De fato, o homem de vida extraordinária fez sucesso com a publicação de sua autobiografia, mas passou muitas décadas esquecido pelo público. Voltar a lê-lo é mergulhar em uma das muitas manchas da história da humanidade, é relembrar uma atrocidade que jamais deve ser cometida novamente e é, em especial, se surpreender com o caráter humano a cada página.
Solomon Northup era um homem negro, livre, habilidoso e inteligentíssimo. Ele morava perto de Washington com a mulher e três filhos e, uma noite, depois de negociar um trabalho como violinista em um circo itinerante, ele foi enganado por dois homens, que o drogaram, roubaram seus documentos e o venderam como escravo. A partir daí, Solomon viveria as mais cruéis provações por uma dúzia de anos, durante os quais sua liberdade e sua identidade lhe foram tiradas.
O vocabulário do livro é esplêndido. Sim, é uma tradução para o português, mas não tenho dúvidas de que o texto original de Solomon Northup é também muito culto e rico em detalhes. A maneira como ele relembra e descreve seus companheiros de cárcere, as situações absurdas nas fazendas e os muitos castigos é espantosa, mostrando um talento nato do autor para a escrita, além de uma memória fora do comum.
A cultura de Solomon é vista não apenas em sua vida pré-escravidão, na qual ele era um hábil violinista e engenhoso autodidata, mas ao longo da narrativa encontramos, abismados, comparações e citações que a maioria dos homens livres e cultos do século XIX (e quiçá os de hoje) jamais conheceria. Ele cita a Bíblia e personagens da história que só são conhecidos através das notas de rodapé.
Esta é a primeira edição do livro, de 1853

O diretor do filme, Steve McQueen, comparou a importância do livro de Solomon ao Diário de Anne Frank, e ele tem muitos motivos para fazê-lo: ambos apresentam o pior do ser humano, causam muita tensão no leitor e são obras fundamentais para entender a história da humanidade. No Brasil não tivemos nenhuma voz escrava que deixasse em livro suas experiências pessoais na torpe instituição da escravidão, mas há algo de universal no sofrimento de Solomon Northup.
Atrevo-me a dizer que Solomon Northup, com sua narrativa, foi o homem mais importante do século XIX (ficaria então Abraham Lincoln em segundo lugar? Uhm...). O mais impressionante é sua conclusão: ao final do livro ele diz que seu defeito é encontrar algo positivo em todas as situações. Sim, você pode imaginar os horrores que Solomon sofreu elevados à décima potência para ter uma ideia do que foi a escravidão.
O filme ganhador de três Oscars é muito, muito bom. Mas a leitura do livro é imprescindível. É toda uma nova percepção quando conhecemos a história através de quem a viveu. É mais tocante, mais sofrível, mais humano.

O veredicto: 5 minions!  

    
EXCELENTE!


P.S.: Leia AQUI a crítica do filme!

Comentários

  1. Ai deve ser um livro delicioso de ler!
    O filme não achei tanto. Achei pesado sabe e de uma violência real, diferente das mostradas em filmes de western ou do Tarantino.
    Nunca tinha visto algo assim, nem em A Lista de Schindler.
    Amei a resenha e o filme mais que mereceu o Óscar!
    Beijos <3

    ResponderExcluir
  2. Não sabia que livro tinha sido traduzido pra o Brasil, ignorância minha lol
    Gostei de sua resenha, pretendo lê-lo, pois adorei o filme.

    Beijos!
    http://choqueliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Blogagem coletiva: 5 coisas que eu quis ser

Resenha: Morada das Lembranças, de Daniella Bauer

Quiz: qual personagem você é?